sexta-feira, 23 de maio de 2008

Trilho das Cascatas

Peço a todos os que tiverem fotos desta actividade para enviar para macroalex@gmail.com. A minha máquina pifou logo no início, e estas são as únicas que tenho.

Perto de 70 pesoas compareçeram à chamada, apesar dos avisos de chuva(não imagino se estivesse sol). Esta afluência, leva-me a ponderar diferentes formas de organizar as actividades futuramente. Bom sinal,...a malta gosta da natureza. Na verdade, ainda mais do que a paixão pelo contacto com a natureza, o que mais me toca, é a experiência colectiva. A cumplicidade inerente que se estabelece entre pessoas que não se conheciam, e em poucos minutos se entreajudam, riem ou choram juntas.
Começámos a andar com tempo sêco até a primeira cascata, aí caíram os primeiros pingos. Para ver a cascata foi preciso fazer fila, de tantos que éramos. E lá seguimos para a serra. No Vale das Traves almoçámos e começou a chover mesmo a acabar, do tipo chuva certinha e encobrindo as incríveis paisagens deste vale. Aqui, o guia deu a escolher aos caminheiros, entre continuar para a serra e as outras cascatas, ou regressar em círculo directamente de volta à aldeia de partida. Tomada de decisão difíçil, pois ninguém quer desistir depois de ter chegado ali. Mas a serra molhada, não é como a serra sêca, é necessário mais cuidado e equipamento impermeável. Finalmente o grupo dividiu-se, uns para a frente e outros para a aldeia. E lá seguiu um grupo ainda assim considerável, serra adentro. Atravessámos ribeiros e seguimos por um trilho estreito, de subida muito gradual, até que uma simpática caminheira teve o azar que não desejo a ninguém e que finalmente aconteceu nestas actividades. Penso que um músculo lesionado, contraíu e provocou-lhe dores suficientes para não conseguir pôr o pé no chão. Sempre a chover, algo que nunca deixou de ser, parámos cerca de 30m para assisti-la e decidir como transportá-la. Maca improvisada, com paus e cordas, ligadura, analgésico, e muita camaradagem, conseguiram deslocar a Ana, que vinha ao Mundo da Alma pela primeira vez. O sítio do trilho onde se lesionou, não permitia voltar para trás , seguimos para a frente, e depois de ter confiado o Gps a um membro do grupo, que o levou de volta pela serra até a aldeia, voltei para os cerca de 6 que permaneciam com a Ana, e foram muito lentamente progredindo, pé ante pé, até o ponto onde poderia recolhe-los com o jipe . Tudo acabou bem. Parabéns Ana. O teu espírito guerreiro foi bom de ver.

Depois de ter emprestado 4 impermeáveis aos que não tinham, acabei o dia completamente ensopado, até aos ossos. Soube bem o banho quente.

Agradecimento especial aos veteranos do Blog Pegada e Bota e No gerês cujos links podem encontrar à direita, cujo auxilio foi precioso.Obrigado.

Em suma: Mais uma vez ,a chuva compareceu, a um trilho que tem vistas fantásticas. Paciência. Mas mais uma vez, ninguém nos retira o prazer de ter passado um dia com esta família que está a aumentar, e que promete conviver por muitos e bons anos, nas bonitas alturas do Mundo da Alma.

O meu coração não cabe aqui. Tenho de o esvaziar às prestações. Aquele abraço a todos e cruzem os dedos para que o sol brilhe intensamente na próxima.

Posted by Picasa

6 comentários:

NO GERES disse...

Apesar da chuva é sempre bom poder caminhar na serra e partilhar experiências com outros caminheiros. Dou os parabéns a todos e em especial á Ana pela sua coragem e força, estás coisas acontecem aos melhores.
Até a uma proxima caminhada (espero que seja em breve e com bom tempo)

Paulo Jorge

Diana disse...

Na segunda visita ao blog, decidi escrever qualquer coisa, não por ter participado em alguma das actividades organizadas, apenas por querer partilhar o entusiasmo que também eu senti ontem ao ouvir os relatos de um amigo que se aventurou no Trilho das Cascatas.
Na verdade, nem uma forte constipação nem a previsão de tempo chuvoso o demoveram a acordar de madrugada, colocar a mochila às costas e fazer cerca de 100 Km, para mais um dia passado na companhia daquela "família" unida pelo espírito aventureiro de partir montanha fora à descoberta de novas paisagens, novos odores, novas sensações que tão só a natureza é capaz de proporcionar.
Passando vista pelas fotos, também eu me deixei transportar e até imaginar que sentimentos desperta este contacto directo com tanta beleza natural...
Fico a pensar se serão as inóspitas paisagens que nos fazem aquecer a alma ao ver tamanha beleza... se o silêncio da montanha que nos faz "ouvir" o que nos rodeia de uma forma mais serena... se o vento que bate no rosto e que nos transporta para aquele lugar quase perfeito em que impera a tranquilidade, nem que seja por uns instantes... ou se será a luz que nos invade a retina e ilumina o coração, de forma tal que nos enriquece enquanto seres humanos... que alimenta esse desejo de participar em novas aventuras, de fazer novas amizades, de conhecer outras realidades ainda tão desconhecidas mas certamente tão mais reais e decididamente mais ricas que aquela que exprimentamos na azáfama do quotidiano...
Não duvido que a alma ganhe leveza e o coração se fortaleça depois de uma aventura como a de ontem!
Não nego que me despertou o bichinho da curiosidade e a vontade de participar numa dessas aventuras, não só pelo que ouvi, pelo que li e vi mas principalmente pelas palavras do autor do blog: " O meu coração não cabe aqui. Tenho que o esvaziar às prestações."

Parabéns pela iniciativa, pelas actividades organizadas e pelo sucesso das mesmas, que foi tão patente pelo número de presenças ontem!
Parabéns aos caminheiros pela força de vontade, espírito aventureiro mas sobretudo pela paixão pela tranquilidade, serenidade e paz que a natureza nos trasmite!

Um beijinho.

Diana Araújo

miguel disse...

Adivinhem lá quem é o "amigo que se aventurou no Trilho das Cascatas"
hum? hum?
beijos e abraços, correctamente repartidos
Rui Ribeiro "On The Top of The World"

PEGADA e BOTA disse...

Olá gente boa.
A chuva só entrou até a pele não inundou o nosso coração...a natureza é linda, temos que a entender.
UM grande abraço a todos os participantes.
Ana queria desde já dar-te os parabéns, temos de ser duros...


Mário índio(Apuã)

Marisa disse...

Ana ...well and kicking...ansiosa por uma nova experiência (sem o pequenino percalço)...Não consigo exprimir por palavras o quão grata estou pela ajuda de todos...OBRIGADO, parece-me pouco para agradecer àqueles cuja verdadeira simpatia me ajudou a transpor os montes do gêres debaixo de chuva e com uma rotura de ligamentos e entorse;... OBRIGADO, mundo da alma, porque me mostraram humildes caminhos onde se escondem as coisas que trazem felicidade;...OBRIGADO por tudo isso e muito mais...deixo-vos (até breve) com um pensamento do séc 4 aC e como partilho a opinião de Platão, aqui vai: " A verdadeira maneira de fazer amigos é realçar e estimar os serviços que recebemos dos outros, mais do que eles próprios os estimam; e depreciar os serviços que lhes prestamos abaixo do preço pelo qual eles os avaliam."
Bêsitos da amiga Marisa (Ana)

brandao.f disse...

Dias assim ajudam a entender o aroma que sopra na serra, o sabor da aventura, o calor de que é feita a amizade, a decisão de subir uma serra debaixo de chuva, apenas em busca das pequenas coisas que preenchem os dias que guardamos nas memorias da nossa existência...
Ana, hoje não foi dos teus melhores dias , mas chegastes ao fim em grande ... provaste ser uma mulher de armas. Rápidas melhoras...